O sonho

O sonho se foi
É duro acreditar e não ver o resultado
Mas eu faço novos sonhos outra vez
Não importa quantas vezes ele se vá
Novos sonhos podem ser feitos a qualquer momento
Basta acreditar e perseverar até o fim

Porque o sonho que se foi voltará no momento certo
Dentro de mim, ainda vive
Cedo ou tarde virará realidade
Tudo depende de mim
Da minha certeza de que vai acontecer o que eu espero
Mesmo que eu não sinta e não veja nada

Porque às vezes parece distante
Às vezes o perdemos no meio do caminho
Às vezes as circunstâncias nos obrigam a adiá-lo
Mas os sonhos só morrem se paramos de acreditar.

Anúncios

Por que eu amo escrever

A fala e a escrita andam juntas, cada uma tem a sua importância e o seu uso no nosso dia a dia. Falamos aquilo que pensamos no momento, sem nos importarmos em como isso soa para o ouvinte, é a primeira forma de comunicação do ser humano. A escrita nos leva além da fala, porque para escrever, precisamos pensar nas palavras certas e no melhor jeito de transmitir a mensagem que queremos.

Escrevo poesias há quatro anos e a escrita é uma arte que a cada dia me deixa maravilhada. Cada vez que eu escrevo algo, penso exatamente naquilo que estou sentindo e em como eu posso transformar isso em palavras, nas combinações certas e refletir a importância daquilo que quero passar. A escrita nos leva a mundos e histórias diferentes, tem o poder de nos fazer refletir sobre as coisas que acontecem ao nosso redor, de nos fazer chorar ou rir, com ela consigo organizar meus pensamentos, sentimentos e a entender melhor o que acontece na minha vida.

Como pessoa, sempre senti que escrever me traz um pouco de maturidade, porque você pensa sobre os seus sentimentos e isso faz você se conhecer melhor, descobrindo o que você deve ou não fazer e como reagir diante deles. A inspiração para escrever poemas ou textos está em todo lugar e principalmente, dentro de você, mas é necessário ter um hábito de leitura, para descobrir palavras novas e se inspirar com os outros também. Mas escrever não é difícil, exige, principalmente no caso da poesia, que você se abra e veja as coisas de uma nova perspectiva. Sair daquilo que é comum e óbvio e não ver tudo como normal e cotidiano. É preciso aprender a se maravilhar com as pequenas coisas da vida, com aquilo que as pessoas não observam. Quando você toma noção da importância da escrita na sua vida, escrever se torna um prazer e um ato reflexivo, que começa a fazer parte de você e é por isso que eu amo escrever.

Música do Mês

A música desse mês é do Gotye – Somebody That I Used to Know. Espero que gostem.

Alguém Que Eu Costumava Conhecer

Às vezes penso em quando estávamos juntos
Quando você disse que se sentia tão feliz
Que poderia morrer
Eu disse a mim mesmo que você era certa para mim
Mas me sentia tão sozinho em sua companhia
Mas aquilo foi amor
E é uma dor que ainda me lembro

Você pode ficar viciado a um certo tipo de tristeza
Como uma negação ao fim, sempre o fim
Então, quando descobrimos que não fazíamos sentido
Bem, você disse que ainda seríamos amigos
Mas admito que estava feliz que tudo tinha acabado

Mas você não precisava me ignorar
Agir como se nada tivesse acontecido
E que o que nós fomos não foi nada
E nem sequer preciso do seu amor
Mas você me trata como um estranho
E isso é tão rude
Não, você não precisava se rebaixar tanto
Mandar seus amigos pegarem seus discos
E depois trocar de telefone
E acho que não preciso disso
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer

Às vezes penso em todas as vezes que você me ferrou
Mas me fez acreditar que era sempre algo que eu tinha feito
Mas eu não quero viver desse jeito
Interpretando tudo que você diz
Você disse que poderia deixar isso passar
E eu não te pegaria preso a alguém
Que você costumava conhecer

Mas você não precisava me ignorar
Agir como se nada tivesse acontecido
E que o que nós tivemos não foi nada
E nem sequer preciso do seu amor
Mas você me trata como um estranho
E isso é tão rude
Não, você não precisava se rebaixar tanto
Mandar seus amigos pegarem seus discos
E depois trocar de telefone
E acho que não preciso disso
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer

Alguém que eu costumava conhecer
Alguém
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer
Alguém que eu costumava conhecer
Alguém
Agora você é apenas alguém que eu costumava conhecer

Costumava conhecer
Que eu costumava conhecer
Eu costumava conhecer
Alguém

Algo Belo

Quando a confusão chega
Tudo se transforma

Cada dia vivido é uma árdua luta vencida
Cada olhar para o céu alimenta uma esperança
As atitudes são firmes
Mesmo quando o sentimento é de fraqueza

Quando a confusão chega
Ela tenta te cegar
Te impedir de viver

E eu corro para pedir o Teu socorro
Minha única esperança
Todos os medos e desilusões Te entrego
Sem me esconder em máscaras

Porque assim como um novo dia sempre nasce
Depois de uma noite angustiante
Tu fazes novas todas as coisas
E transforma o caos em algo belo

Tu fazes novas todas as coisas
E transforma o caos em algo belo

Minha escolha constante

A dúvida é uma onda
Te leva e traz de volta
Carregando os seus sonhos e tudo o que você acredita
Até perder-se dentro de si mesmo

Vivi dias e dias
Meses e meses
Sem confiar plenamente em Ti
Tantos medos e inseguranças
Deixei-me levar
E me encontro no mesmo lugar

E Tu sabes
O quanto eu tentei
O quanto eu chorei
O quanto eu me esforcei
Mas a dúvida sempre aparecia em mim
E aos poucos, era contaminada

Andei na corda bamba
Me agarrando à esperança de ver tudo mudar
O que eu conquistava escorria por entre meus dedos
Como se fosse bom demais para ser verdade
O que eu perdi nunca voltou para mim

O deserto foi a pior parte
Quando os galhos que davam folhas e flores secam
O seu interior clama pela Água Viva que fará tudo renascer
Mas parece existir uma barreira que te impede de chegar ao céu

E agora, mesmo sem saber do futuro
Tudo aparenta ser impossível e incerto
E desistir mostra-se como solução
Vou viver na fé
Essa será a minha escolha constante
Contra todas as probabilidades