Um dos meus sonhos….visitar Londres

Anúncios

Ser estudante é ser cidadão ativo

Inicia um novo ano acadêmico. Com ele elevam-se em todos as melhores expectativas, mesmo como estratégica que contrarie os cenários difíceis reais que persistem na sociedade em geral. Vamos! Arregaçar as mangas para o trabalho que temos em mãos é antever inspiradamente o “copo meio cheio” de modo a sermos parte da solução que ainda não existe mas que vamos construir nós próprios.

Ser humano de condição e dignidade, ser cidadão na consciência de pertença e presença social e cívica na comunidade que nos envolve, ser estudante vivendo em síntese de processo e progresso contínuo de conhecimento para servir a humanidade, eis alguns dos pilares centrais que nos unem na diversidade de proveniências e realizações.

O futuro não está feito, está aí a chamar por nós para o “fazermos”. Que com o início do novo ano brilhe em todos e cada um aquele choque pedagógico positivo e estimulante de modo a recriar todas as possibilidades, para que mesmo do mais fundo de um problema sempre se descortine a táctica para uma luminosa e participada solução.

Se ser estudante é ser pessoa normal, é também mais do que isso: é ser pessoa em laboratório de formação para quem se olha com expectativa de que não venha só a dizer e repetir o que os outros disseram mas para criar e inventar algo de novo sabendo estar em comunidade. Que pelos dias e noites do ano académico no “disco” flexível do pensamento exista sempre espaço para o estudante se perguntar: quem sou, o que aprendo e faço de novo, paraque serve, a quem serve?

Sabemos que as sociedades vão dando a volta às palavras para reforçar as ideias que se querem transmitir. Dizer “cidadania activa” é quase uma redundância, como se fosse possível existir cidadão na cidade sem se ser activo. Mas a insistência conduz ao sinal da urgência de se participar, praticar, interagir na primeira pessoa, do singular ao plural. É desafio para todos, é estímulo à cultura de cada estudante!

Os tempos que correm exigem atenção e não adormecimento. A indiferença conduz ao adiar de novas soluções e fragmenta a unidade científica, cultural e social. A participação ativa aproxima-nos mais uns dos outros e, assim, mais da verdade humana possível para bem de todos e cada um. O novo ano acadêmico necessariamente traz consigo sempre mais participação, mais interesse, mais motivação aberta.

Fonte: http://www.ua.pt/provedordoestudante/PageText.aspx?id=14144, (como o texto está no português de Portugal, fiz algumas pequenas alterações)

Como parar de enrolar e começar a estudar em 7 passos

Você é daqueles que ficam deixando tudo para depois e acabam sempre acumulando um monte de coisa para estudar? Conversamos com especialistas para reunir dicas práticas para ajudar a vencer esse hábito

É ano de vestibular e há um monte de coisa para estudar e livros para ler. Você ia começar a maratona de estudos em janeiro, mas todos os seus amigos ainda estavam de férias e você achou que merecia relaxar um pouco também. Justo. Mas, em fevereiro, ainda estava em ritmo de férias e achou que teria tempo suficiente para estudar ao longo do ano. Resultado: adiou tudo mais um pouquinho. Então chegou o mês de março. Mas aí seu irmão veio com um videogame novo e você foi incapaz de focar nos estudos enquanto não zerasse os jogos que ele comprou. E agora já estamos quase em maio e já tem matéria acumulada para estudar.

Identificou-se com essa história? Se a resposta for sim, saiba que você não é o único. E que essa enrolação toda tem até um nome (bem feio, por sinal): procrastinação. A palavra, do latim, significa basicamente deixar de lado ou postergar para outro dia. “Esse problema não acomete só os estudantes; os adultos também fazem isso”, explica o professor Alberto Francisco do Nascimento, coordenador do Anglo Vestibulares. “Quando vamos viajar, por exemplo, mesmo que tenhamos comprado as passagens há meses, acabamos sempre fazendo a mala na última hora”, completa.

A procrastinação é algo tão comum entre os estudantes, que muitas universidades americanas mantêm páginas em seus sites oficiais com conselhos de como vencê-la. Depois de consultar estudos e especialistas no assunto, reunimos aqui algumas dicas para ajudar você a parar de enrolação.

1. Saiba o que quer. 
Quando você realmente quer algo, se sente mais motivo a lutar por isso. Se não está muito certo, fica mais difícil. É o que acontece, por exemplo, caso o seu pai queira que você se empenhe para passar em Medicina, enquanto sua preferência é pelo Jornalismo. Assim, resolva essa questão o quanto antes e descubra o que realmente quer fazer.

2. Organize-se. Mas respeite o seu tempo para a diversão também
É preciso ter tempo para tudo, incluindo dormir o suficiente, comer e se divertir um pouco. Você não precisa (nem pode!) riscar essas coisas do seu planejamento. “O que não pode é reservar mais tempo para o lazer do que para o estudo”, diz o professor Alberto. A melhor maneira de organizar isso é ter um bom planejamento. “Se não tiver isso, a pessoa acaba passando quatro horas no Facebook e deixa só meia hora para estudar”, completa. Assim, monte um cronograma com as tarefas que precisam ser feitas, mas inclua nele um espaço para um cineminha e coisas assim.

3.Seja realista quanto ao tempo que você levará para cada tarefa

“Os procrastinadores tendem a ser “heroicos” em relação ao tempo: eles estimam que levarão duas horas para completar uma tarefa para a qual a maioria das pessoas levaria quatro”, diz a página sobre procrastinação do site da Universidade da Carolina do Norte. Antes de fazer seu planejamento, descubra quanto tempo você realmente leva para fazer as coisas ao traçar planos – mas leve sempre em consideração imprevistos e interrupções. Em uma tarde de perfeita concentração e disposição, pode ser que você leve apenas uma hora para resolver todos os exercícios de gramática que tem para aquele dia. Mas se o mais comum é que esteja sempre meio cansado quando senta para resolvê-los, precisa ser realista e considerar que precisará de mais tempo. Estabelecer alvos difíceis de cumprir só irá desanimá-lo.

4. Comece!
Para o especialista em procrastinação Timothy A. Pychyl, deixar tudo para depois pode virar mania – e, para vencê-la, é necessário estabelecer um novo hábito: começar as coisas já. Trocar o “depois eu faço” pelo “vamos resolver isso logo” é um primeiro passo fundamental para vencer a enrolação. Sem contar que, quanto mais a gente enrola, mais complicadas as tarefas parecem ser. Se você matar os exercícios de logaritmo logo depois da aula, terá grandes chances de descobrir que a matéria não é tão impossível quanto parece (até porque a explicação do professor ainda estará mais fresca em sua cabeça).

5. Livre-se das distrações
Quando for estudar, desligue a TV e o celular. Se o videogame é uma grande tentação, esconda-o até colocar suas tarefas em dia. Dependendo do seu nível de procrastinação, pode ser necessário tomar atitudes mais radicais. Se o Facebook se tornou um vício, por exemplo, instale algum programa que controle o acesso a redes sociais no seu navegador ou desinstale o aplicativo do seu smartphone. O importante é detectar o que atrapalha você e se livrar disso.

6. Encare seus estudos como uma profissão

Você está se preparando para entrar em uma faculdade com o objetivo de virar um bom profissional, certo? Isso quer dizer que, quando arrumar um emprego na área dos seus sonhos, você pretende se dedicar ao máximo e ser responsável. “Assim como acontecerá em sua vida profissional, é necessário que você, como estudante, cumpra horários, se organize, faça cronogramas de trabalho e siga os planos com seriedade”, explica o professor Alberto. Acredite: no trabalho, você não terá a opção de esperar até ter vontade de fazer as coisas. Por que não começar a adquirir para si essa responsabilidade agora mesmo?

7. Aprenda a gostar de estudar
Às vezes, precisamos nos acostumar com certos alimentos que nos fazem bem, como alguns legumes e vegetais. Com o tempo, a gente acaba até gostando. O mesmo pode acontecer com os estudos – ou com as matérias em que você tem mais dificuldade. Esforce-se para aprender a gostar delas. Quando começamos uma tarefa com pensamentos como “que droga, vou ter que estudar essa matéria horrorosa!”, a coisa já começa mal e sua mente não vai ajudar tanto quando ajudaria em algo prazeroso – como o videogame.

Fonte: http://guiadoestudante.abril.com.br/vestibular-enem/como-parar-enrolar-comecar-estudar-7-passos-682995.shtml?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_guiadoestudante